domingo, 7 de abril de 2013

SINOS E CINZEIROS!


Muitos atletas terão estado presentes na trigésima primeira Corrida do Sinos e de lá terão vindo felizes com uma organização que prima, desde sempre, pela excelente qualidade e trazendo mais um sino para a sua colecção (ou para iniciar a mesma que esperemos que venha a ser grande!).
Mas nem sempre os atletas trouxeram, sinos desta prova como documenta a foto deste texto.
Quando o ano passado publicámos aqui um artigo sobre a primeira edição juntando algumas fotos do material relacionado com a mesma deixámos este cinzeiro de fora pois só apareceria no quarto ano da Corrida dos Sinos.
Desde o momento em que o recebemos até aos dias de hoje sempre achámos algo bizarro esse tipo de lembrança numa corrida a pé mas compreendemos que são as contingências da época e o que foi possível arranjar (provavelmente até haveria sinos nessa edição mas não para todos os atletas).
Mas este singular cinzeiro é o único existente aqui na redacção do Último Quilometro embora ninguém faça uso dele porque uma das poucas proibições que temos por aqui é justamente a de fumar! Aqui é mesmo proibido fumar!

12 comentários:

  1. Um cinzeiro para atletas é uma curiosa contradição!

    ResponderEliminar
  2. Um curioso contradição que ficou para a historia da corrida em Portugal.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Por acaso, quando vi a foto, também pensei logo que era uma oferta estranha para um evento desportivo! Fica uma recordação caricata! :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito provavelmente nesse ano não houve verba para os sinos, (ou para oferecer sinos a todos os atletas pois desconheço se alguém os recebeu) e teve de se optar pelos cinzeiros!
      Entendo os problemas de uma excelente organização que na altura não cobrava inscrições e todo o seu trabalho erra feito na base do voluntariado.
      Beijinhos e boa semana.

      Eliminar
  4. Uma lembrança muita caricata mas ao mesmo tempo original; é o chamado desenrascanço à tuga; à falta de dinheiro para sinos foram ao artesão lá do sítio e compraram os cinzeiros que se calhar estavam em promoção.
    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
  5. Num tempo em que nem se pagava inscrição, e tudo era feito na base do voluntariado, nem se podia pedir muito e essa organização já dava tanto!

    ResponderEliminar
  6. Respostas
    1. Excelente ideia não me digas que foi a Molly que teve a ideia!

      Eliminar
  7. Tb diria que dá sempre para pendurar tipo quadro :D, e esse barro tipicamente português fica bem em qualquer cantinho rústico de uma casa.
    Abraço e boas corridas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma excelente ideia!
      Obrigado. Um abraço.

      Eliminar
  8. Nessa época um cinzeiro deva muito jeito, eu só deixei o vicio em 2000....
    Então as melhoras do pézinho, beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem eu felizmente nunca fumei.
      Obrigado e também para si as melhoras.
      Beijinhos.

      Eliminar