domingo, 6 de julho de 2014

MADRUGADA A CORRER NUM MAR DE SENTIMENTOS!

Quando vi o anúncio da prova Madrugada a Correr fez-se um “clique” no cérebro!
Confesso que correr àquela hora e ver o sol nascer não é nenhuma novidade para mim pois socorro-me de horas bem madrugadoras para fugir ao calor aqui em treinos pela Lezíria Ribatejana! O percurso entre o Estádio Nacional e a Rotunda de Algés também não é algo que se me afigure atractivo e a distância de 7 km então é uma “desgraça” para quem não gosta de provas de 10 km e só começa a sentir que vale a pena fazer uma prova a partir dos 15 km!
Mas o tal “clique” que tive foi imaginar-me a fazer a prova e depois seguir para um treino que acabaria na casa de um tio meu perto da Avenida Infante Santo em Lisboa. Com alguns acrescentos daria algo a rondar os 21 km e seria um treino de sentimentos para mim!
Vivi 30 anos na Avenida Infante Santo, treinei muito no Estádio Nacional e toda a zona das docas entre o Cais Sodré e o Estadio Nacional foram a minha “casa” de treinos! Construi grande parte das minhas modestas 4 maratonas e a minha ultra maratona nessas zonas na já longínqua década de 80 do século passado!
Mas muito mais que isso alguns familiares meus, já falecidos, viveram, ou trabalharam, ao longo do desse percurso nomeadamente entre a Cruz Quebrada e Algés.
Pode-se dizer que cada metro desse percurso me traz algumas memórias especiais
Conjugando a boa vontade do João Lima que desde a primeira hora se ofereceu para me ir buscar à Infante Santo com o alojamento em casa do meu tio Egas Branco lancei-me na aventura da Madrugada dos Sentimentos.
Depois de “não pregar olho” a partir das 3:30 da manhã e me ter levantado às 4 encontrei-me como o João Lima ainda antes do que estava combinado que seria as 5:05 da matina!
A prova em si o que teve mais de especial foi a companhia do João que mesmo com a prova que fizera na véspera e os problemas de saúde que o atormentam ainda deu para meter um andamento algo vivo para um “coxo” como eu e que a seguir a terminar a prova ainda lhe faltavam correr mais dois terços!
De salientar que logo no percurso da prova assinalei o primeiro ponto sentimental ao passar à porta do prédio onde viveu a minha Tia Branca na Avenida Ivens (mais conhecida pela Marginal) em pleno Dafundo.
Confesso que acabar a prova, entregar o chip e depois arrancar em solitário para mais 14,160 km de corrida não foi fácil!
Avenida Pierre de Coubertin, lá vou a descer, descontraidamente, em direcção à Cruz Quebrada aplaudindo e incentivando quem vem a terminar a sua prova.

Quantas vezes desci aquela Avenida para os meus treinos longos em que “voava” para o Cais de Sodré ou a subia em “alta velocidade” no regresso desses mesmos treinos!
Foi também por essa Avenida que parti e voltei (na companhia do Egas) para uma ligação, histórica, de um treino entre o Estádio Nacional e o Estádio Universitário integrado na preparação para as 12 Horas de Vila Real de Santo António em 1987!
Cruz Quebrada: aqui desço para o Paulo Duque e há que fazer um pequeno desvio passando pelo túnel e pela ponte sobre o Jamor para me dirigir ao Largo da Estação.
Chove e a pequena descida no passeio escorrega como tudo!
Largo da Estação, a antiga Fabrica Portuguesa de Fermentos Holandeses agora é um edifício em ruínas, emparedado, que faz doer a alma a quem é neto de um homem que ali trabalhou 40 anos da sua vida dando o melhor de si! Onde também trabalhou uma tia e um tio meu!
Na minha família aquela fábrica foi sempre os Fermentos.
Olho para o edifício e julgo que ainda consigo identificar a janela do gabinete do meu avô Eugénio Nunes Branco! Passa-me toda uma vida pela frente, emociono-me, comovo-me! Mas está feita a primeira homenagem daquele treino tão especial! O primeiro lugar de sentimento!
Volto para a Policarpo Anjos e passo à porta de onde viveu o cunhado do meu tio, Luís Botas (falecido há relativamente pouco tempo) e onde ainda mora a cunhada, a Lourdes. Mais um mar de emoções, mais uma casa que me foi tão familiar e onde passava tantas vezes depois dos treinos no Estádio Nacional.
Atinjo a Paulo Duque e aqui os sentimentos são muitos intensos: num gaveto virado para a marginal viveram os meus tios Adelaide (tia avó) e João Barros e em frente desse prédio a irmã desse meu tio, a Ema.
Um mar imenso de recordações, um oceano de vida, tanta, tanta coisa naquela pequena rua. Vou mesmo até à esquina à porta do prédio e volto para trás a fim de seguir para Algés pela antiga linha dos eléctricos.
Em Algés passo para o lado de lá da linha pelo túnel da estação e entro num percurso que tem tantas histórias e recordações que seria fastidioso falar de todas aqui!
Chove, está vento (felizmente de costas) mas aquela zona é sempre bela!
As pernas ainda vão relativamente leves mas estranho o piso de paralelepípedos do qual já nem me lembrava!
Atinjo a Torre de Belém e como o treino é mesmo de turismo e sentimento corro mesmo no pequeno pontão que acaba no Tejo. Olho aquele Tejo imenso que me corre nas veias e me segue desde criança!
Volto para trás e contorno o relvado do Jardim da Torre de Belém. Centenas e centenas de quilómetros percorridos naquele jardim que eu e o meu tio conhecíamos de olhos fechados o que nos permitia treinar mesmo de noite sem frontal (frontal o que era isso? Nem se usava na altura!).
E segue o treino, as docas estão tão diferentes das “minhas” docas”.
Padrão dos Descobrimentos, dou mesmo uma volta à monumental Rosa do Ventos no chão de pedra, tão bela! Como eu gostava de passar ali em treino!
As pernas já pesam alguma coisa, chove, faz vento, e as docas parecem-se algo com as docas do meu tempo pois só se vêem pescadores!
Pensava que iria ter um dia de sol, aquilo pejado de gente: caminheiros, ciclistas, corredores, simples passeantes mas nada, só pescadores.
Jardim da Cordoaria (como a gente lhe chamava), aqui o meu tio tropeçou num espigão que segurava um banco de jardim ao chão, roubado na véspera, e deu a maior queda da sua carreira de corredor de fundo com a fissura de uma costela, que lhe custou uma paragem de mais de um mês!
Começo a “fazer mira” à Ponte 25 de Abril que tanto passei por baixo, em treino e algumas vezes por cima, em prova!
Passo a ponte e lembro-me de quando aqui fiz um treino em que o vento era de tal ordem que quase nos queria atirar ao Tejo e onde o barulho da chuva tocada a vento contra os frágeis impermeáveis nos impedia de ter uma conversa normal. Só nos ouvíamos aos gritos e muito mal.
Gare Marítima de Alcântara, da minha Alcântara proletária de operários da CUF, estivadores e varinas! Da minha Alcântara, minha pátria, minha freguesia, sou de muitos lados mas Alcântara é a minha pátria mãe!
A recordação mais antiga, do fundo do baú das minhas memórias, que envolve esta Gare reporta-se à chegada do meu ex padrasto vindo da Guerra Colonial, a multidão que aguardava o desembarque, os acenos, os lenços, os gritos os choros, o meu padrasto que me pega ao colo e o menino que já nem o reconhecia na sua farda de oficial e no primeiro momento tem um certo “receio” daquele “polícia” que lhe pega ao colo!       
Pesam as penas mas a Infante Santo está perto!
Finalmente chego ao viaduto da Infante Santo. Quando aqui vivi ele ainda não existia e para passar para o lado das docas ou se ia à passagem de nível do Jardim da Rocha do Conde de Óbidos ou ao túnel da estação de Alcântara – Mar.
19 km e picos, chuva, uma escada para subir e descer não é algo que me agrade lá muito mas tem que ser!
Infante Santo e toca a subir! Não é fácil! A “coisa” sobe proporcionalmente à falta de forma!
Estou a passar ao número 48, aqui vivi praticamente 30 anos da minha vida, deste tenra idade.
Cansado, ensopado, dorido muscularmente, olho lá bem para o alto, para o 10º andar e passa-me toda uma vida pela frente em flash rápido! Emoção, emoção, emoção. 
E continuo a subir, penosamente, aquela Avenida onde cheguei a fazer séries abaixo dos 5 minutos ao km para o Manteigas-Penhas Douradas! Já não existe mais o Gasómetro, agora são prédios modernos e num desses a loja de um amigo meu.
Cruzamento da Sant'Ana à Lapa e agora subo a pela Sant'Ana à Lapa? NÂO!
A Infante Santo é para se fazer toda! Toma lá mais uma subida para estares calado, toma lá com a Domingos Sequeira!
Campo de Ourique! Subi um bocado desde lá de baixo do Tejo! Agora é descer um pouco e estou no “centro de estágio”.
Ensopado, estropiado e feliz chego a casa dos meus tios! Sou logo brindado com foto à saída do elevador! Até tive medo de ir de elevador de tão molhado que estava, mas escadas depois destes 21,300 km...?!
A minha tia horrorizada dá guia de marcha acelerada para o banho! Ai que apanhas uma pneumonia! Nem tive tempo de respirar! Mal ela sabe que o marido apanhou “toneladas” de molhas iguais ou maiores só que tomava banho em balneários!...
Esta corrida/treino é para o meu “irmão” João Lima e em memória de Gertrudes Maria Valente e Branco e Eugénio Nunes Branco, Laia e João Barros, Branca Bélgica, Ema e Luís Botas com muita saudade mas nenhum esquecimento.
Nota: tirando as duas primeiras fotos que ilustram este texto todas as outras fotos são “fotografias de saudade”.

20 comentários:

  1. Bom... depois dum texto destes, tão belamente carregado de emoções e sentimentos, o que posso comentar?

    Apenas enviar-te um grande abraço e ficar feliz por ter visto o início deste teu mar de sentimentos

    ResponderEliminar
  2. Que belíssimo texto Jorge, de uma corrida cheia de emoções fortes. Gostei muito! E afinal o dito "esqueleto" ainda faz umas gracinhas (nada como nos antigamente é certo, mas mesmo assim nada mau)...
    Á dois anos voltei a aldeia onde vivi os meus primeiros 10 anos (na Alemanha, já lá não ia à mais de 20 anos....fui percorrer a caminhar todos os caminhos que habitualmente fazia...os sentimentos fortes provavelmente terão sido muito parecidos com os teus deste fim de semana). Tenho que lá voltar para fazer tudo a correr :).
    Grande abraço

    ResponderEliminar
  3. Pois o esqueleto ainda mexe alguma coisa e dá para fazer estas "corridas sentimentais"!
    Espero que voltes à tal Aldeia na Alemanha para fazeres tudo a correr! Tenho para mim que a correr se vivem melhor os sentimentos e emoções, esta-se com outro espírito, os sentidos ficam mais apurados...
    Eu ainda tenho outros projectos de "corridas sentimentais" !
    Nesta fase da vida procuro correr projectos diferentes e pessoais que me motivam, muito mais, que provas até porque a parte da competição pura e dura para mim já terminou! Tudo tem um tempo na vida e o meu agora é de apreciar outras prazeres que a corrida pode dar! Forte abraço.

    ResponderEliminar
  4. Grande post, excelente! Gostei bastante de ler, e faz-me pensar qual será a minha relação com a corrida daqui a uns bons anos!

    Um abraço e boas treinos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muito obrigado amigo.
      Sim com o decorrer dos anos a relação com a corrida altera-se mas mantém-se um grande gosto pelo simples acto de correr. Isto pelo menos para os verdadeiramente apaixonados pela corrida aqueles que mantém um enorme gosto em correr mesmo quando as suas capacidades atléticas já são muito mais diminutas e gosto pela competitividade ficou no passado!
      Um abraço.

      Eliminar
  5. Muito bom, adorei Jorge! Tão bom o texto como o treino. É incrivel como a corrida já se confunde com a nossa vida, eu tenho essa sensação muitas vezes também, apesar de na década de 80 as únicas séries que fazia era de gatas eheh

    ResponderEliminar
  6. Estas corridas pela memória sabem sempre muito bem... Gostei muito do texto, lindíssimo!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rute desta vez a Raposa Manca saiu aqui do "mato" para ir correr na terra dela!
      Beijinhos.

      Eliminar
  7. Que belíssimo texto Jorge! Da maneira que está escrito faz-nos sentir as emoções transmitidas.
    Parabéns pela prova e pelo maravilhoso treino que tantas recordações trouxe.
    Beijinhos e continuação de tão boas corridas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Isa!
      Bons treinos e melhores provas!
      Beijinhos.

      Eliminar
  8. Agora já percebo as "voltinhas" que ontem ao ver o percurso Garmin que publicaste no FB não entendi.
    Como entendo essas jornadas de sentimentos.
    Que pena não ter sabido dessa jornada a tempo de me 'infiltrar'.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois Alex quando viste o percurso deves ter pensado que eu estava doido (no meu caso mais doido o que é praticamente impossível :) ).
      Quanto a te teres infiltrado desculpa-me mas é assim: na parte da prova eras muito bem vindo mas no restante percurso queria mesmo estar sozinho comigo próprio!
      Penso que entendes isto e que sentes o mesmo na tua jornada de Runa! São coisas muito pessoais, para se viverem sozinho, e se interiorizarem na nossa solidão!
      Forte abraço.

      Eliminar
  9. Adorei ler as suas recordações em forma de treino, é bom recordar, principalmente os que já foram mas que continuam no nosso coração, não morrem nunca!!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Magnifico retrato, é bom conciliar as recordações da nossa vida com o nosso treino!

    Boas corridas

    ResponderEliminar
  11. Um texto lindíssimo, Jorge.
    E a ideia do treino, embora acredite que por um lado até possa ser doloroso, é também ela muito bonita.
    Esta semana, ainda que numa escala infimamente menor, fiz algo parecido, correr na minha terrinha ( alentejano de nascimento, ribatejano de vida e por agora uma espécie de lisboeta de empréstimo) é sempre tão agradável.
    um abraço, Jorge

    ResponderEliminar